OPEN HOUSE BUENOS AIRES, uma maneira diferente de ver a cidade

Você nunca teve curiosidade de conhecer a casa dos outros? Esse é o lema do OPEN HOUSE BUENOS AIRES que aconteceu no fim de semana passado. É um festival de arquitetura e urbanismo que abre, de forma gratuita, as portas de lugares que geram curiosidade. São edifícios particulares surpreendentes, de grande valor arquitetônico, cultural e de patrimônio, e que normalmente não se pode entrar livremente. Foram 2 dias e 70 edifícios. Esse festival começou em 1992 em Londres e já passou por mais de 20 lugares do mundo. Essa é a 2ª edição em Buenos Aires (ver minha visita frustrada do ano passado aqui).

Open House (Foto: Divulgação)

Para participar, bastava se cadastrar no site e se inscrever para os edifícios que queria visitar. Claro que os lugares mais lindos e concorridos esgotaram em minutos, como o Palácio Barolo. E o dia que me cadastrei muitos lugares já estavam esgotados, mas eu fucei bem e consegui me inscrever em 3: Galería y Mirador Güemes, Bouchard Plaza (ex-Ed. La Nación) e Casal de Catalunya.

Guias voluntários

Galería y Mirador Güemes

Eu lembrava de já ter entrado nessa galeria em plena Calle Florida, mas não tinha ideia do que se tratava, achei que eram apenas lojas. Quando vi que estava no Open House, fiquei curiosa.

Galería Güemes

Galería Güemes

Considerada patrimônio arquitetônico da cidade de Buenos Aires, a Galeria Güemes foi concebida no início do século XX no estilo europeu, e era ponto de encontro para lazer, compras e eventos sociais; foi o antecessor dos shoppings centers de hoje. O edifício é considerado um dos primeiros arranha-céus de Buenos Aires, com seus 87 metros de altura, foi encomendado ao arquiteto italiano Francisco Terencio Gianotti e considerado uma das obras-primas da Arte Nouveau. No subsolo tem um teatro e um grande salão, onde hoje funciona a Casa de Tango Piazolla

Tango Piazolla

No térreo estão muitos negócios, cafés e restaurantes, sendo que alguns permanecem originais. Do primeiro ao sexto andar existiam escritórios e a partir do 6º andar se encontravam apartamentos totalmente mobiliados que se alugavam temporariamente. No 14º andar estava uma balada que tinha uma vista incrível da cidade, onde soavam os acordes de uma orquestra que tocava numa varanda interna. Quatro níveis acima, estava o mirante, ponto mais alto da cidade por muitos anos, com uma vista única de 360º em pleno centro da cidade.

Uma vista incrível!!! Em dias bem bem abertos, e sem nuvens nem névoas, dá até pra ver Colonia do Sacramento (lá no Uruguai) no horizonte do Rio da Prata.

Mirador Galería Güemes (Foto: Reprodução)

Vista do Mirante – dá pra ver o Palácio Barolo e Congresso Nacional

Vista do Mirante

Vista do Mirante

Dados curiosos: A construção começou em 1913, e enfrentou muitos problemas, pois os proprietários entraram em falência pelos custos da obra que tiveram um aumento de 50%, o que foi agravado quando um submarino alemão afundou o barco que trazia os mármores italianos para a faixada da Calle Florida, entre outros materiais caros para o acabamento. O nome do edifício, presta uma homenagem ao herói da província de Salta, General Martin Miguel de Güemes e foi inaugurado em 15 de dezembro de 1915.

E além da vista, da história, dos detalhes em todos os cantos do edifício, o pessoal organizou, lá no 14º andar, uma câmera estenopeica (ou câmera escura) gigante num quarto todo pintado de preto com uma pequena abertura na parede. A imagem da vista era projetada invertida na parede, era como estar dentro de uma câmera fotográfica gigante! Simplesmente incrível!!!

Câmera escura (Foto: Reprodução)

Galería Güemes
Florida 165 / San Martin 170 – San Nicolás
 

Bouchard Plaza (ex-Edifício La Nación)

Já vou adiantando que esse foi o passeio mais frustrante dos três… Escolhi esse edifício por ser moderno, super alto e em pleno Puerto Madero, pensei que poderia apreciar uma vista maravilhosa e detalhes do edifício, só que não!

O Bouchard Plaza também conhecido como Edificio La Nación, é um prédio de escritórios, onde antigamente funcionava todos os setores do Jornal La Nación.

Foi construído em 3 etapas: a primeira começou em 1960 e foi habilitada no início de 1969 (3 subsolos, térreo e primeiro andar), obra realizada pela construtora Brave, Fontana y Nicastro. A segunda etapa chegou até o 6º andar e terminou em 1975. E a última etapa, que incluía o acabamento interior e decoração, começou em 1979 e finalizou em 1980. O edifício estava dividido: os andares inferiores eram destinados a parte gráfica do jornal e os superiores, para escritórios e redação.

Em meados de 2000, La Nación se uniu ao Banco Río e a Techint para levar adiante o projeto de ampliação do edifício, mantendo a estrutura original, mas anexando uma torre e modificando radicalmente a fachada. A torre foi inaugurada em 2004 e hoje é sede do Jornal La Nación, Techint e Price Waterhouse Coopers, entre outras empresas. A prensa do jornal se mudou para outro prédio no bairro Barracas, mas a redação permaneceu em um dos andares da nova torre.

O passeio foi frustrante porque não podia tirar foto de nada (apenas do exterior do prédio, da calçada do outro lado da rua) e habilitaram a visita apenas do 7º andar onde estão as vigas que sustentam a nova torre. Para arquitetos e engenheiros talvez fosse super interessante, mas para o público em geral, nem tanto. Tinha uma super janela nesse andar, mas a vista não era lá essas coisas…

Bouchard Plaza (vista da Av Eduardo Madero)

Bouchard Plaza (vista da rua Bouchard)

Bouchard Plaza
Bouchard 551 – Puerto Madero
http://www.irsa.com.ar

Casal de Catalunya

E o último lugar que eu visitei foi o Casal de Catalunya, um centro cultural criado em 1886 pela comunidade catalã residente em Buenos Aires.

Casal de Catalunya

O terreno foi comprado em 1889 por Lluís Castells e sua esposa Elisa Uriburu, e doado por tempo indefinido ao governo espanhol. Durante um tempo o prédio foi utilizado pelo Consulado Espanhol, a Câmera de Comércio Hispanoargentina e outros serviços diplomáticos, o Centro Catalão e o Montepio de Montserrat.

Casal de Catalunya

Casal de Catalunya

Hoje em dia o casarão conta com uma fachada modernista catalã muito característica, e incluí no térreo a “Biblioteca Pompeu Fabra”, que possui mais de 4000 exemplares em catalão, a secretaria, um salão de reuniões do conselho, a “Sala Gaudí”, dedicada a exposições e conferências, o magnífico “Teatro Margarita Xirgu”, com capacidade para 500 pessoas, e o “Bar de Tapas & Resto Restaurante de Cataluña”. A escada que leva ao primeiro andar está bem embaixo de um vitral magnífico que fica no teto.

Casal de Catalunya

Casal de Catalunya

No primeiro andar estão diversas salas e auditórios dedicados a exposições de arte e música, ensaios e aulas de dança, e aulas de catalão, entre outras atividades.

Teatro Margarita Xirgu – Casal de Catalunya

Casal de Catalunya en Buenos Aires
Chacabuco 863 – San Telmo
http://casal.org.ar/
Anúncios
Esse post foi publicado em Eventos na cidade, Passeio de finde e marcado , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para OPEN HOUSE BUENOS AIRES, uma maneira diferente de ver a cidade

  1. martilleromadrazo disse:

    Muy lindo e interesante.
    Un abrazo

  2. itanedeborba disse:

    As tuas fotos estão lindas.
    Parabéns!

  3. Aqui, estudando espanhol…
    : )

    Já estive três vezes na Argentina, sendo duas em Buenos Aires. Às vezes passa pela minha cabeça a possibilidade de morar aí, um ou dois anos… mas com família já tem que pensar mais detalhadamente.

    Excelente o seu blog!

    Obrigada por escrevê-lo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s